Tags

,

Não vou dizer que é fácil falar de shampoo pra mim. Muito menos do meu cabelo. Além de extremamente fresco, descobri ter uma alergia do mal na pele, o que inclui meu couro cabeludo.

Eu sempre fui fascinaaada em shampoos, cremes hidratantes, condicionadores. O problema é que meu cabelo nunca foi… Mas vamos lá se não o post vai ficar gigantesco.

Quando nova, de tudo passou pela minha cabeça. Tive muita sorte no quesito pai. Viciado por cheiros e potes (hehehehe), levava de tudo, ele mesmo, pra casa. Amiga, eu tive sorte. Meu cabelo não.

A grande descoberta pro meu cabelo, até os 14 anos, foi o Seda Ceramidas (isso ainda existe?). E o negócio era usar SÓ ISSO e deixar ele quietinho, porque se não o picumã revoltava. Tentei de tudo. Tudo mesmo. L’oreal, Dove (um jeito simples de transformar os fios em arames), Nielly, Novex (outro jeito simples de fazer a mesma coisa), shampoo de bebê (OI MÃE, TÔ FICANDO LOIRA, O CABELO TÁ FICANDO RUIM) e nada, nada mesmo do meu cabelo ser legal e mostrar que eu podia usar qualquer coisa, que eu podia usar o shampoo da moda.

Aí, um belo dia, meu pai chegou em casa com um vidro de shampoo da Garnier Fructis, que ele tinha achado muito cheiroso.

felizzz

Pois é, minha gente, aí eu descobri o quê, de fato, seria o grande amor do meu cabelo fresco.

Não que eu nunca mais tenha usado outras coisas. Como comentei, sempre gostei de testar, sempre fui viciada em cheiros. Então eu tentei. E acabei descobrindo outras coisas que foram muito boas, como o Tresemmé e o Pantene. Mas nada que se comparasse ao Fructis. Outras experiências não foram muito agradáveis, como os shampoos das linhas Plant e Sou, da Natura. O Plant começou a grudar meu cabelo. E o sou contém alguma coisa a qual eu sou alérgica e feriu meu couro cabeludo todo. Mas essa parte da alergia é novidade pra mim ainda e eu não sei a exatamente tudo o que eu sou alérgica. Só sei que é MUITCHA coisa. Então dá outro post.

Hoje em dia estou usando o shampoo Garnier Fructis Óleo Reparação e o condicionador Reidratação 72h. O porém é que o óleo reparação pode pesar um pouco o cabelo, por ser ÓLEO. hehehe. Mas tá de boa, porque meu maridão usa Garnier também, para cabelos oleosos, então tô usando o dele uma vez por semana e seguimos felizes, eu e meu cabelo.

Ah, é, eu casei, mudei e levei o Fructis. Foram 4 anos usando só ele, sem mudar nem pra testar. Direto, direto. E esse ano tava testando o Tresemmé, que foi bom. O hidratação profunda, no caso. As outras linhas não rolaram. Mas eu não consegui, não teve jeito, voltei pro Fructis.

Agora segue momento fotinha do picumã:

Na base do Fructis.

Na base do Fructis.

Tá mostrando mais meu carão do que meu cabelo, mas agora estou num momento em que bater foto não rola. E, tipo, resetei as fotos do celular, então, já viu, né?

Moral do post: Antes de entrar em pânico, teste. E não tem essa do que o que for bom pra um vai ser bom pra todo mundo. O meu pixaim rejeita muita coisa. E aquelas regras, pré elaboradas? Esqueça. Tem cabelo que precisa de um shampoo novo a cada pote que se finda. O meu é acomodado. Anos e anos com a mesma coisa e ele é feliz. Se você tá tendo reações no couro cabeludo, como no meu caso, que feriu, troca a marca. Existem componentes extremamente prejudiciais. Além de ferirem, podem causar danos maiores, aumentar a queda e fazer mal pra saúde. O importante é você estar bem, se sentir bonita e estar saudável.

Anúncios